sexta-feira, junho 23, 2006

Thomas Bernhard


(...). Estúpidos, como em geral eles são, matam em breve nos alunos que lhes estão confiados qualquer sentimento que neles possa despertar a arte da pintura e nem sequer só esta, e a visita das suas por assim dizer inocentes vítimas ao museu, a visita por eles guiada, fica a ser, devido à sua estupidez e, portanto, ao seu estúpido palavreado, na maior parte dos casos a última visita feita a um museu por cada um dos alunos. Vindo uma vez com os professores ao Museu de História de Arte, os alunos nunca mais cá vêm durante toda a vida. A primeira visita de todos esses jovens é também a última. Os professores destroem para sempre, nessas visitas, o interesse pela arte dos alunos que lhes estão confiados, isto é um facto. Os professores aniquilam os alunos, esta é que é a verdade, este é um facto que vem de há séculos, e os professores austríacos, especialmente, aniquilam nos alunos sobretudo desde o princípio o gosto artistico (...)
Antigos Mestres, pp. 66-67, Trad. de José A. Palma Caetano, Assírio & Alvim, 2003.

segunda-feira, junho 12, 2006

domingo, junho 11, 2006

O FIM DO FUTEBOL


O Futebol, aquele que é jogado num campo com onze jogadores de cada lado, já não existe. É, de tudo o que se chama hoje futebol o que menos interessa. Não falo só pelo actual Mundial da Alemanha. Há muito que os jornais desportivos se interessam por tudo menos o futebol em si. O que tem interessado os ditos jornais desportivos são as transferências (o mercado de transferências, como se fossem jornais de economia), as polémicas que envolvem dirigentes, treinadores e jogadores. E também não desprezam as sempre polémicas arbitragens - todas as arbitragens são polémicas. Também as revistas cor-de-rosa viram, ultimamente, nas histórias amorosas entre futebolistas e vedetas de televisão uma receita certeira para alargar o seu público. A televisão seguiu-lhes o caminho, ou ao contrário, percebendo que o futebol também interessa às mulheres, criou em volta dos jogos toda uma série de espectáculos. Não é o jogo que interessa mas o antes do jogo e o depois do jogo, a envolvente do jogo, do campeonato. É assim no Mundial da Alemanha, mas intensificado até à náusea.
Aquilo que se pode chamar a beleza do futebol é algo acessório. Os jogos de futebol são acessórios, onde predomina uma lentidão que não se coaduna com a actual voragem das imagens televisivas (a rapidez dos planos). O futebol entrou na era do espectáculo, na Sociedade do Espectáculo como foi definida por Guy Debord: "tudo o que era directamente vivido se afastou numa representação". Assim é com o futebol, esse jogo da nossa infância, agora rodeado de todo um discurso vazio (veja-se as conferências de imprensa dos treinadores, jogadores e dirigentes, a avidez com que os jornalistas as seguem como se dali fossem sair as palavras que salvam o mundo). Nada escapa ao comentário que inaugura o vazio sobre o indizível da experiência (e isto não se aplica apenas ao futebol).



terça-feira, junho 06, 2006

LIVROS A VIR


A Feira do Livro serve, entre outras coisas, para tomar conhecimento dos livros que vão ser publicados. Ou, melhor, daqueles que as editoras tencionam publicar. Porque há livros que constam dos catálogos há anos e esperamos encontrar um dia numa livraria e nunca mais, nunca mais aparecem. É o caso de Câmara Escura de Nico com selecção, tradução, textos e fotografias de Fátima Castro Silva que está anunciada no catálogo da Assírio & Alvim. A editora de Manuel Rosa promete começar a publicação da obra de José Rodrigues Miguéis com Léah e Outras Histórias. Pessoa, Carlos de Oliveira, Fernando Assis Pacheco ou Walter Benjamin vão continuar a ser publicados na Assírio que passa a distribuir a revista de poesia Relâmpago, da Fundação Luís Miguel Nava, com um número a sair sobre Luiza Neto Jorge.
Outra das melhores editoras portuguesas é a Relógio d' Água que anuncia um novo título de Ana Teresa Pereira, Histórias Policiais, a ser publicado em breve. Uma surpresa será a edição de cinco (5) livros do polémico filósofo esloveno Slavoj Zizek. Para começar, A subjectividade a Vir seguido do Manifesto a Favor da Intolerância. Entre os clássicos, a editora de Francisco Vale vai publicar Andreas de Hugo von Hofmannsthal, o quinto volume dos Contos de Tchékhov e Dias Memoráveis de Walt Whitman. Isto são só algumas das novidades prometidas de duas editoras. Mas as promessas...