quinta-feira, março 08, 2007

JEAN BAUDRILLARD (1929-2007)


O esquecimento da exterminação faz parte da exterminação, pois o é também da memória, da história, do social, etc. Esse esquecimento é tão essencial como o acontecimento, de qualquer modo impossível de encontrar para nós, inacessível na sua verdade. Esse esquecimento é ainda demasiado perigoso, é preciso apagá-lo por uma memória artificial (hoje em dia, por toda a parte, são as memórias artificiais que apagam a memória dos homens, que apagam os homens da sua própria memória). Esta memória artificial será a reencenação da exterminação -- mas tarde, demasiado tarde para poder fazer verdadeiras ondas e incomodar profundamente alguma coisa e, sobretudo, sobretudo através de um medium ele próprio frio, irradiando o esquecimento, a discusão e a exterminação de uma maneira ainda mais sistemática, se é possível, que os verdadeiros campos de concentração. A televisão. Verdadeira solução final para a historicidade de todo o acontecimento. Fazem-se passar os judeus já não pelo forno crematório ou pela câmara de gáz, mas pela banda sonora e pela banda-imagem, pelo ecrã catódico e pelo microprocessador. O esquecimento, o aniquilamento alcança assim, por fim, a sua dimensão estética -- cumpre-se no retro, aqui enfim elevado à dimensão de massas.


"Holocausto", in Simulacros e Simulação, Relógio d' Água, 1991, p.67

Sem comentários: