quinta-feira, outubro 25, 2012

A CIÊNCIA CONDENADA


Um tribunal italiano condenou seis sismólogos a seis anos de prisão, por estes terem subestimado a ocorrência do sismo que em 2009 matou cerca de três centenas de pessoas em Áquila. A decisão deste tribunal, inédita, foi criticada por todo o mundo científico. E, no entanto, ela mostra a relação que a sociedade actual mantém com a ciência. Depois da “morte de Deus” anunciada por Nietzsche, Comte ergueu o seu positivismo em que a ciência se tornava na nova religião. Esta nova religião está bem viva nos nossos dias: a ciência é a esperança e a verdade – da medicina á meteorologia. E apesar da constatação diária das falhas destas duas ciências, a ciência avança, apoiada pelos meios de comunicação social. Cada disciplina científica vai alargando o seu campo, procurando mais que explicações (sempre provisórias) para a realidade que em última instância não podemos conhecer. O que pretendem as ciências é afirmar o seu poder. Talvez seja hora de juntarmos ao poder económico-político-mediático o poder tecnocientífico. A história do século passado demonstra como a ciência esteve no melhor e no pior, da penicilina à bomba nuclear. Podemos dizer que sem ciência viveríamos num mundo muito pior, um mundo onde a civilização moderna estaria em causa. Mas é também a ciência que nos ameaça, criando mecanismos que nos escravizam e controlam perante o poder. A condenação dos seis sismógrafos italianos resulta sobretudo do estatuto de verdade, como uma verdade teológica, infalível, a que a ciência ascendeu. E nesse sentido, pode-se dizer que se fez justiça (e jurisprudência), e que a justiça, no sentido grego antigo de que falava Sophia de Mello Breyner Andersen num dos seus poemas, se impôs a um dos poderes que governa o mundo. Lamentável é que os cientistas não percebam que esta condenação devia ser objecto de reflexão sobre a sua actividade.

Sem comentários: