segunda-feira, janeiro 21, 2013

CARLOS POÇAS FALCÃO

Falarei da luz que há na luz
na treva que há na treva dessa luz.
Jogarei com as árvores e a terra
toda a infância será ressuscitada.
Direi que o poema é obscuro. Dele
direi que é um sol negro. Da pele
falarei, do mais profundo.
Falarei dos astros com silêncio
e de mim como do mar murmurarei.
Aviso que nada descobrirei.

*
Houvesse frases de atravessar as coisas
intactas. Simultaneidade
de um lado a outro. E que do interior
alguém dissesse que o mundo é oco.
Como um escultor por dentro. Um ser vivo.
Mórula que fosse uma torção da luz.
Uma visão imersa. Como um universo
que se invaginasse. Ou desaparecesse.

Carlos Poças Falcão, Arte Nenhuma (Poesia 1987-2012), Opera Omnia, Guimarães, 2012, pp. 23 e 68

quinta-feira, janeiro 03, 2013

7 ANOS

Este blogue faz hoje 7 anos. No último ano os post têm sido quase exclusivamente sobre política. É uma necessidade nos tempos que vivemos.