quarta-feira, dezembro 31, 2014

LIVROS EM 2014



 

Este ano pouco ou nada mudou no que ao comércio dos livros e sua edição diz respeito. É certo que quando a Porto Editora conseguiu, não se sabe por que carga de água ou fogo, editar com a sua chancela o último livro de Herberto Helder, houve a percepção, por parte de algumas das mais brilhantes cabeças da pátria, de que se estava a abusar do maior poeta português vivo. Ou então que o poeta tinha finalmente enlouquecido, como há desde quase cinquenta anos vinha ameaçando (veja-se o início do conto “Estilo” do livro Os Passos em Volta, ou algumas passagens de Photomaton & Vox). Verdade que o livro, A Morte sem Mestre, esgotadíssimo, não agradou a alguns críticos, a quem certa linguagem erótica, vinda do vate octogenário, talvez tenha escandalizado. Diferente seria quando uma ex-jornalista, com carácter de urgência, resolveu escrever em terras alentejanas, numa cozinha, enquanto o verão passava, um livro que utilizava uma linguagem vernacular muito idêntica à do nosso tão celebrizado vate H H. Entenda-se, então, uma coisa: o que uma senhora pode escrever (e dizer) não é o mesmo que um velho de 80 anos pode. Porque a senhora, dona das suas curvas, faz com o seu sexo o que lhe apetece; tem os amantes que quer e ninguém tem nada a ver com isso – muito menos os amantes. Já do velho vate, só fica bem o flirt com a morte. Mesmo porque algumas palavras, ditas ou escritas por varão, podem configurar o crime nefasto de assédio sexual. Portanto, mesmo em questões literárias, e numa altura em que o autor regressou, como um Lázaro da tumba estruturalista, há que ter todo o cuidado, quando se é um macho branco e heterossexual, mesmo que de um país que esteve sob o domínio da obscena troika.
É claro que muitos mais livros se publicaram ao longo de 2014, com o grande destaque para o lixo do costume, de editores idiotas e livreiros imbecis – com as honrosas excepções, como em tudo. A situação de destruição que o país vive veio dar fôlego a um género que em Portugal tinha pouca expressão: os livros de jornalismo, ou para tentar ser mais exacto grandes reportagens em livro. Diria que finalmente. Finalmente há jornalistas que escrevem sobre o que sabem fazer, o que fazem no dia-a-dia, mas de uma forma mais prolongada, com mais caracteres. Mas desengane-se que isto acabou com a lógica do jornalista-vedeta que escreve o seu romance anualmente. Não. E para o confirmar tivemos mais livros de José Rodrigues dos Santos e de Miguel Sousa Tavares. Mas os livros que tentam desmascarar o jogo de cadeiras por detrás do poder político, ou quem são os Donos de Portugal, ou aprofundar a história do BES, são livros de reportagem e investigação que faziam falta, principalmente se atentarmos que o panorama mediático português é dominado por grupos empresariais pouco interessados em que a verdade seja publicada nos seus jornais – e muito menos nas televisões. Temos assim que na falta de um jornalismo plural – em Portugal, ao contrário do que existe em França ou mesmo na Espanha, não há jornais de esquerda, tentando todos parecer um enorme bloco central jornalístico – cabe a jornalistas independentes fazer vir ao de cima a verdade que se esconde nas pequenas notícias. Jornalistas como Paulo Pena (a colaborar agora com o Público), autor de Jogos de Poder – Toda a verdade sobre os bancos portugueses e a forma como criaram a dívida que todos temos de pagar (esfera dos livros) ou mesmo investigadores como Gustavo Cardoso, entre outros, têm feito esse trabalho. Trata-se, por vezes, de escrever aspectos da história recente de Portugal que só no formato livro podem ganhar inteligibilidade. Outras vezes é tão só uma forma de ter ainda mais projecção mediática e ganhar algum dinheiro fazendo favores à ideologia que nos governa ou apresentando propostas dúbias (veja-se o caso do jornalista da SIC José Gomes Ferreira).
Nas actuais circunstâncias, em que as livrarias parecem lojas de chinês, ou talvez em que as livrarias podiam tornar-se lojas de chinês, já que apenas procuram o lucro de forma acéfala, há que encontrar outros lugares e outras formas de leitura que fazem uma ponte entre o passado e o futuro. Não é preciso ser um leitor exigente para perceber que se ganha muito mais, em todos os aspectos, frequentando e sendo leitor de bibliotecas – a única coisa que se perde é o livro que uma vez lido tem de ser devolvido. As bibliotecas, mesmo as municipais, são formas de um encontro feliz com os livros como objectos de saber, de reflexão e de gozo. Porque as bibliotecas são lugares de encontro com o passado, com livros marcantes da nossa literatura, filosofia, história ou outros saberes e sabores. E ali estão esses livros já marcados pelo tempo, já lidos, sublinhados (e ler um livro sublinhado, de uma biblioteca, é entrar em diálogo com alguém que desconhecemos). Talvez que esta crise tenha aumentado o número de leitores em bibliotecas, evitando a decadência das mesmas, esses lugares que ainda restam de silêncio e murmúrio (para além das Igrejas). Mas, infelizmente, as bibliotecas representam o passado.
O futuro apresenta-se através das tecnologias de comunicação digital. É a internet o grande repositório de saber, não só de um saber tosco, inexacto, que de certa forma cria uma nova epistemologia, mas também de alguns dos mesmos livros que se encontram nas bibliotecas. No entanto, a mudança de uma leitura analógica (digamos assim) para uma leitura digital é um processo complexo – desde os hábitos dos leitores até direitos de autor. E é também uma nova questão da ética de leitura: já não se trata de ler por prazer ou por dever (por exemplo), mas de ler contra o sistema ou a favor do sistema – e ai a questão volta ao início, entre o lixo e o luxo – independentemente do meio.

Livros esquecidos de 2014 – uma (pequena) lista

João César Monteiro – Obra Escrita 1, Livraria Letra Livre
João Urbano – Revoada, ed. Nada
Dulce Maria Cardoso – Tudo são Histórias de Amor, tinta-da-china
Paulo Varela Gomes – Hotel, tinta-da-china
Luís Filipe de Castro Mendes – A Misericórdia dos Mercados, Assírio & Alvim
Daniela Arbex – Holocausto Brasileiro, Guerra e Paz
Giorgio Agamben – A Potência do Pensamento, Relógio d’ Água
Paulo da Costa Domingos - «Voici la poésie ce matin et pour la prose il y a les jornaux », Averno

terça-feira, dezembro 23, 2014

Andreia C. Faria

Vesti-me sempre com as roupas de um primo
da irmã mais velha
ou do último amor
Assim sou-lhes leal:
os dedos através dos bolsos
aflorando o sexo, a nuca
beijada de borboto, o hálito
suspenso nas golas da camisa
Com eles tropeço
na estreiteza das coxas, como cavalos
dormimos juntos no mesmo disfarce
Nada em mim cresce de que não sejam a forma
Nada obsceno
que as suas roupas usadas não cubram

*
Rachado o tronco - ardida a lenha
desabrido o lugar de onde vinha
a melodia se assim
puder chamar os nomes
redondos que em lembrança
a boca esgota
pergunto
(a textura omissa do pomar)

a que fruto dar, agora, atenção desmedida

*
BREAKING THE WAVES

Deus existe

Quer estar sozinho, suprimiu
os sinos e os ladrilhos mais sonoros
e às mulheres, para não parecer
quem é, sacode antes de entrar
os cascos sujos

Andreia C. Faria, Flúor, Textura, 2013, pp. 8, 38 e 55.

Andreia C. Faria estreou-se com o livro de poesia De haver relento (Cosmorama, 2008). Flúor é o seu segundo livro. Venceu em 2013 o Prémio Jovens Criadores. A sua poesia, desalinhada de estéticas grupais, em Flúor atinge uma grande qualidade. Uma poeta a ter em atenção para o século XXI.

sexta-feira, dezembro 19, 2014

ALEXANDRE VARGAS

MA BLONDE

Ouve, vagueio num espaço de luz cercado dum silêncio...
é um silêncio e não o teu... vejo claramente olhando as mesas
o meu perfil que se volta docemente e não és tu,
em que braços te suspendes e flutuas os teus lábios
rigorosos de planície quando voas?...

Olha, fixa e furtivamente olha superiormente,
ó Cyborg que enorme já te ergues no teu luto,
a boca entreaberta como um ovo que é olhado
na doce e fresca idade que em breve nos espera
entoa já o canto dos fantasmas que dão fruto.

*
CYBORG (excerto)

Não sei por que modo ou forma entrei em Cyborg.
À entrada lembro-me dos pássaros tenebrosos e eu a hesitar
orgasmático naquele labirinto cósmico
onde os gigantes poderosíssimos nas suas terríveis bielas
nos falam da raça superior. Eu estava vestido
de negro e acordava num sítio inacessível onde
estivesse a começar a levantar-me. Uma porta lassa,
no seu crepitar de ídolo de barro, verificava as
grandes colunas ibéricas que, nos corredores das suas
engrenagens, começavam a erguer-se. [...]

Alexandre Vargas, Cyborg (1978), Lisboa, Livros Horizonte, 1979, pp. 16 e 27.
Alexandre Vargas nasceu em Lisboa em 1952. Publicou os seguintes livros de poesia: Morta a sua fala (1977), Cyborg (1979), Vento de pedra (1981), Organum (1984) e Múltiplo de Três (1997). 
Cyborg é dos poucos livros da poesia portuguesa que se enquadra dentro da ficção-científica. Um outro exemplo é uma das secções de Quatro Caprichos de António Franco Alexandre.


quinta-feira, dezembro 11, 2014

ANTÓNIO OSÓRIO

 

Amo-te
com pressa
de não acabar o amor

*
BOSCH, O INÍCIO

I   Tríptico das Delícias

Enquanto Adão, Eva e o mais
eram criados, um gato abocava
o primeiro rato.
Iníludivel a prepotência
do felino. Adão soerguido
Eva desejava, nudez sua. E Deus
abençoava os seus viventes
consagrando o bem e o mal que lhes fizera.

António Osório, Emigrante do Paraíso, s/l [edição brasileira, antologia dos primeiros livros, com prefácio de Carlos Nejar] Massao Ohno-Roswitha Kempf / editores, 1981