sexta-feira, junho 29, 2007

AGAMBEN EM SERRALVES


Giorgio Agamben esteve ontem em Serralves, para proferir uma conferência intítulada "Arte, inoperância, Política", a última do ciclo Crítica do Contemporâneo. E hoje vai estar outra vez para dialogar com o músico Stefano Scodanibbio. A obra do filosófo italiano pode ser vista sob dois pontos de vista: livros de carácter ensaístico como Ideia de Prosa ou Profanações (Livros Cotovia), em que o pensamento da Agamben é condensado em pequenos textos, por vezes um tanto herméticos, quase fábulas filosóficas e, livros que têm abordado uma das teses mais polémicas deste pensador, ou seja, a que compara a vida nos actuais Estados e cidades à vida nos campos de concentração nazi. Está neste caso a série de livros que tem por título Homo Sacer, de que em português apenas está editado o primeiro, O Poder Soberano e a Vida Nua (Presença). Ontem, em Serralves, Agamben abordou essencialmente o conceito de inoperância e inoperacionalidade. Para operacionalizar este conceito (será isto um paradoxo?) o autor de A Comunidade que Vem (Presença) foi buscar conceitos teológicos e, também, económicos. A conferência de Giorgio Agamben pareceu ser um resumo de algo que provalvelmente aparecerá em livro mais estruturado. Mas a ideia que me pareceu estar por detrás do conceito de inoperância, não parece ser nova: na sua essência andará próxima do Direito à Preguiça (Paul Lafargue) ou da inscrição situacionista "ne travaillez jamais".

sábado, junho 23, 2007

Roland Barthes


O poder está presente nos mecanismos mais subtis da comunicação social: não apenas no Estado, nas classes, nos grupos, mas ainda, nas modas, nas opiniões correntes, nos espectáculos, jogos, desportos, informações, nas relações familiares e privadas e até nas forças libertadoras que tentam contestá-lo: chamo discursso de poder a todo o discursso que engendra a culpa e, por conseguinte, a culpabilidade daquele que o ouve"

(...)

"Jakobson demonstrou que um idioma se define menos por aquilo que permite dizer do que por aquilo que obriga a dizer. Em francês sou obrigado a definir-me como sujeito antes de enunciar a acção que a partir desse momento será apenas o meu atributo: o que faço é apenas a consequência e a consecussão do que sou; do mesmo modo sou sempre obrigado a escolher entre o masculino e o feminino, o neutro e o misto são-me interditos; sou ainda obrigado a marcar a minha relação com outém recorrendo ao tu ou ao vós: é-me recusada qualquer indecisão afectiva ou social. Assim, devido à sua própria estrutura, a língua implica uma relação fatal de alienação. Falar, e com mais razão ainda discorrer, não é comunicar, como muitas vezes se diz, mas sim subjugar: toda a língua é uma regência generalizada"

(...)

"A língua como performance de toda a linguagem não é nem reaccionária nem nem progressista; ela é pura e simplesmente fascista; porque o fascismo não consiste em impedir de dizer, mas em obrigar a dizer."

Roland Barthes, Lição, edições 70, 1979, pp. 14, 15 e 16

domingo, junho 17, 2007

AGUSTIN GARCíA CALVO


A NECESSIDADE DA PRODUÇÃO E A PRODUÇÃO ESSENCIAL DOS SUJEITOS

Porém, do que se trata com tudo isto é da mais elementar das necessidades de que a Ordem padece, e de que nos faz padecer a todos: a de produzir. Pois, por um lado, só a obrigação de produzirconsiste na relação do produtor com o produto, no sentido em que um produza o outro. Um aspecto mais profundo do processo reside no seguinte facto: é o produto que faz o produtor ser o que é. E se pode ser importante que o operário continue a produzir automóveis, ou o professor matérias de ensino, mais importante ainda, sem dúvida, é que o automóvel ou as lições definam o operário como operário e o professor como professor, respectivamente. De tal forma que até mesmo actividades aparentemente vazias de produto, como as de delirar, mendigar, gritar, «o poder para o povo», dormir debaixo das pontes ou empregar determinadas técnicas de foda, podem não obstante constituir um produto com valor no Mercado, e aceitável, para o Senhor, como paga, a fim de Ele deixar este ou aquele continuando vivendo, na medida em que assim possam constituir esse produto essencial para a marcha e subsistência do Estado que se chama a Pessoa.


Aguntin García Calvo, Comunicado Urgente Contra o Desperdício, Fora do Texto, 1990, pp.29-30

sexta-feira, junho 15, 2007

Richard Rorty (04.10.1931 - 08.06.2007)


Conseguir que alguém negue a sua crença sem qualquer razão é um primeiro passo para tornar essa pessoa incapaz de ter um eu por se tornar incapaz de tecer uma teia coerente de crença e desejo. É algo que torna essa pessoa irracional num sentido bastante preciso: a pessoa é incapaz de apresentar uma razão para a sua crença que se articule com as suas outras crenças. Torna-se irracional não no sentido de ter perdido o contacto com a realidade, mas sim no sentido de já não conseguir racionalizar -- de já não se justificar perante si próprio.


Richard Rorty, Contingência, Ironia e Solidariedade, Presença, 1994, p. 223

sábado, junho 09, 2007

Contracapa


Tais pessoas eram capazes de sonhar, mas incapazes de governar. Destruíam as suas vidas e as dos outros. Eram tolas, fracas, fúteis, histéricas; mas por trás de tudo isto, ouve-se a voz de Tchékov: abençoado o país que soube gerar este tipo humano. Eles deixavam escapar as ocasiões, evitavam agir, não dormiam à noite evitando mundos que não sabiam construir; mas a própria existência destas pessoas, cheias de uma abnegação apaixonada e fervorosa, de pureza espiritual, de elevação moral, o simples facto de estas pessoas terem vivido e talvez ainda viverem hoje, algures, na implacável e reles Rússia actual é uma promessa de futuro melhor, para todo o mundo, porque de todas as leis da natureza, a mais maravilhosa é talvez a da sobrevivência dos mais fracos.


Vladimir Nabokov, texto de contracapa de Contos VI de Anton Tchékov, ed. Relógio d' Água

terça-feira, junho 05, 2007

Charles Baudelaire


O ESTRANGEIRO


- De quem gostas mais, diz lá, homem enigmático? de teu pai, da tua mãe, da tua irmã, ou de teu irmão?

- Não tenho pai, nem mãe, nem irmã, nem irmão.

- Dos teus amigos?

- Eis uma expressão cujo sentido até hoje ignorei.

- Da tua pátria?

- Não sei a latitude em que está situada.

- Da beleza?

- Amá-la-ia de boa vontade, divina e imortal.

- Do oiro?

- Odeio-o tanto como a vós Deus.

- Então que amas tu, singular estrangeiro?

- Amo as nuvens... as nuvens que passam... lá longe... as maravilhosas nuvens!


Charles Baudelaire, O Spleen de Paris -- pequenos poemas em prosa, Relógio d' Água, 1991

sábado, junho 02, 2007


O Noddy está chocado. Viu ontem, na RTP-2, um filme pornográfico com Fernanda Freitas e Daniel Sampaio.